8 de mai de 2011


Valparaíso. Chile2011.
Posted by Picasa

5 comentários:

Jorge Freitas disse...

http://isabellustosa.blogspot.com/
Reencontro com Hilda Machado (24/7/2010)
Ontem me ligou uma senhora perguntando se eu tinha o contato de Hilda Machado. Queria informações sobre a pesquisa que Hilda realizou para seu livro sobre Laurinda Santos Lobo pois viu que a orelha daquele livro, publicado em 2002, é assinada por mim. O livro é muito bom e eu, que só conhecia a Hilda de vê-la toda animada no Bloco das Carmelitas em Santa Tereza, fiquei muito surpreendida quando o pessoal da editora me pediu para apresentar o livro. Muito bem escrito, baseado em excelente pesquisa, o livro de Hilda acompanha a história de Santa Teresa desde a criação do convento das carmelitas, ali estabelecidas no tempo dos vice-reis, até à nossa Belle Époque em que Laurinda e seu salão representavam o que havia de mais culto, sofisticado e elegante no Rio de Janeiro.

Jorge Freitas disse...

SEGUE....

Depois dessa aproximação intelectual, eu e Hilda perdemos contato e só nos víamos casualmente pelas ruas de Santa. Até ontem tudo que eu sabia dela era que era muito simpática, um pouco louca e que fizera um livro ótimo sobre o bairro em que morava. Daí que veio me despertar o telefonema dessa senhora. Como não existe ainda o serviço de utilidade pública “disque-morreu”, proposto por minhas irreverentes amigas Bárbara Harrington e Mathilda Kovak para saber se alguém que não se tem notícias há muito tempo, já partiu desta para a melhor, fui ao Google.

Jorge Freitas disse...

Nunca imaginei que pudesse ser o caso de Hilda que tinha apenas três anos a mais que eu, mas era. Hilda morreu em agosto de 2007 e além de ter feito o livro sobre Laurinda, sua tese de doutorado, fez um monte de outras coisas interessantes. Era paulista, ao contrário do que eu pensava pois sua ligação com Santa Teresa me parecera tão visceral que eu jamais imaginei que não tivesse deixado ali o umbigo. Presa em 1978 ainda em Sampa por suas atividades políticas, formou-se depois em artes pela USP e doutorou-se pela UFF, em Niterói, universidade da qual era professora do curso de Cinema. E parece que boa pois há muitas referências a ela na internet. Mas a informação que mais me agradou foi a que encontrei em um site:
http://revistamododeusar.blogspot.com

Ali, Ricardo Domeneck ressalta o talento da poeta que Hilda era e eu não sabia. Poeta de rara sensibilidade como se pode constatar neste Miscasting, poema que mostra o quanto o jogo do amor na grande cidade pode ser cruel e devastador para almas femininas modernas e aparentemente imunes a seus sortilégios. Incluo-o aqui como homenagem derradeira a essa pessoa tão interessante que foi Hilda Machado.

Miscasting
“So you think salvation lies in pretending?”
Paul Bowles

estou entregando o cargo
onde é que assino
retorno outros pertences
um pavilhão em ruínas
o glorioso crepúsculo na praia
e a personagem de mulher
mais Julieta que Justine
adeus ardor
adeus afrontas
estou entregando o cargo
onde é que assino


há 77 dias deixei na portaria
o remo de cativo nas galés de Argélia
uma garrafa de vodka vazia
cinco meses de luxúria
despido o luto
na esquina
um ovo
feliz ano novo
bem vindo outro
como é que abre esse champanhe
como se ri

mas o cavaleiro de espadas voltou a galope
armou a sua armadilha
cisco no olho da caolha
a sua vitória de Pirro
cidades fortificadas
mil torres
escaladas por memórias inimigas
eu, a amada
eu, a sábia
eu, a traída

agora finalmente estou renunciando ao pacto
rasgo o contrato
devolvo a fita
me vendeu gato por lebre
paródia por filme francês
a atriz coadjuvante é uma canastra
a cena da queda é o mesmo castelo de cartas
o herói chega dizendo ter perdido a chave
a barba de mais de três dias

SEGUE

http://www.inventarioturistico.com.br/santateresa
Santa Teresa

Este mapeamento cultural de Santa Teresa é uma iniciativa da Gerência da área de Economia Criativa do SEBRAE/RJ, e busca oferecer informações para consolidar o entendimento sobre o seu produto cultural; valorizar a sua identidade; apoiar novas iniciativas de instituições públicas e privadas, de pequenas empresas e empreendedores da cultura; incentivar o surgimento de novos negócios; e aumentar as possibilidades de geração de ocupação e renda na localidade.

Para ter todas essas informações o SEBRAE/RJ contou com o apoio técnico do Instituto IDEIAS que realizou pesquisa com 125 consumidores dos produtos culturais locais e 20 entrevistas com os principais representantes culturais de Santa Teresa, e coletou dados em fontes como a Secretaria Municipal de Cultura e Turismo do Rio de Janeiro, IBGE, IPHAN, INEPAC, Secretaria Estadual de Cultura e outras instituições.

No trabalho de campo foram mapeadas as instituições culturais, as associações ligadas à cultura, os estabelecimentos de comércio típico, os equipamentos de apoio, os espaços culturais, os eventos do calendário cultural, os grupos culturais, os monumentos, as personalidades de ontem e de hoje e os artesãos.

Todas as informações, fotografias, mapas e depoimentos, estão divididos em categorias colocadas à esquerda neste espaço virtual.

Basta clicar no ícone correspondente e conhecer um pouco mais de Santa Teresa , bairro do Rio de Janeiro, orgulho de seus moradores e do Estado do Rio de Janeiro.

Aproveite!

LEI N ° 495, DE 09 DE JANEIRO DE 198

Jorge Freitas disse...

http://www.irenesantos.fot.br/pdf/sinopse2.pdf
O projeto COLONOS & QUILOMBOLAS propõe o
levantamento da história dos “territórios negros
urbanos” surgidos em Porto Alegre no período
posterior à abolição do trabalho escravo e justificase
pelo propósito de remover o estigma dessas
regiões da cidade como locais de intensa pobreza,
vagabundagem, crimes e prostituição.
A metodologia da pesquisa baseia-se no tripé:
- pesquisa iconográfica privilegiando imagens de
arquivos particulares;
- entrevistas e depoimentos de pessoas com idade
superior a 70 anos e de reconhecido saber no que
diz respeito a costumes e à territorialidade dos
negros em Porto Alegre, na primeira metade do
século 20;
- pesquisa histórica de documentos e publicações
acadêmicas.
Esta inclusão da História fundamenta o foco do livro
na medida em que os depoimentos e as entrevistas
estão eivados do subjetivismo individual, que
aborda o lado imaginário, que enriquece o trabalho
sobremaneira, mas que necessita ser cotejado com
a história factual.
PROJETO

Jorge Freitas disse...

RECOMENDO E TIONMEI LIBERDADE DE COPIAR ACIMA COMENT´PARIOS SOBRE O LIVRO "COLONOS e QUILOMBOLAS" -
Memória fotográfica das colônias africanas de Porto Alegre, POR
Irene Santos
COORDENAÇÃO EDITORIAL
Cidinha da Silva
Dorvalina Elvira P. Fialho
Vera Daisy Barcellos
Zoravia Bettiol
* É A HISTÓRIA SENDO RECONTADA, ACRESCIDA EM NOVAS VOZES, OLHARES, TESTEMUNHOS, REGISTROS, FATOS. o RESGATE DE ESPAÇOS PRECIOSOS PARA A COMPREENSÃO, A LUTA POLITICA E FORMAÇÃO DA CIDADANIA, DA IDENTIDADE BRASILEIRA