7 de dez de 2008

CristineRochal/PMPA
"Calçada boa é símbolo de democracia”

Opinião de urbanista colombiano em seminário internacional sobre cidades. O blog Porto Alegre Centro Histórico traz algumas idéias debatidas no encontro.


Festejado como o principal responsável pelas melhorias que revolucionaram a cidade de Bogotá, a capital da conturbada Colômbia, o ex-prefeito Enrique Peñalosa faz uma defesa veemente do transporte coletivo e do espaço público, e diz que o programa Cidade Limpa, que eliminou os out-doors publicitários de São Paulo “é um exemplo para o mundo”. Porto Alegre e outras cidades brasileiras também poderiam adotar esse modelo.

As idéias do ex-prefeito de Bogotá foram debatidas juntamente com propostas de especialistas de várias partes do mundo na Conferência Urban Age South American, realizada em São Paulo, nos dias 05 e 06 de dezembro. O encontro discutiu os rumos das grandes cidades e suas mazelas.

O blog Porto Alegre Centro Histórico presta um serviço ao leitor e destaca algumas das opiniões desses estudiosos, entre eles a brasileira Raquel Rolnik e o norte-americano Richard Sennet, além do ex-prefeito de Bogotá:

Enrique Peñalosa
(Folha de São Paulo, Caderno Cotidiano, C4, 06/12/2008)

“Uma cidade tem que ser boa para as pessoas mais vulneráveis, crianças, cadeirantes, idosos, pobres, ciclistas.O desafio é criar a cidade para as pessoas, e não para os carros.”As cidcades ricas, há 15 anos, decidiram não fazer mais vias para melhorar o trânsito.”

“É possível medir a democracia analisando como o espaço público é distribuído.”

“As calçadas são parte do sistema de transporte, porque a jornada começa quando saímos de casa. Uma calçada boa é símbolo de que o cidadão que caminha tem o mesmo valor de outro que tem um carro de US$ 30 mil. É símbolo de democracia. O que diferencia uma cidade boa de uma ruim é a qualidade das calçadas.”


Raquel Rolnik
(O Estado de São Paulo, Caderno Aliás, J5, 07/12/2008)

“O entrave da questão urbana no Brasil é a setorização dos interesses. A lógica das empreiteiras ainda rege o financiamento do desenvolvimento urbano, onde a concentração de recursos convive com a fragmentação dos serviços.”

“É uma lógica segundo a qual os interesses políticos e empresariais estruturam-se em torno de setores definidos. Ou melhor, setores corporativos arraigados na estrutura do estado e na estrutura político-eleitoral no país. O Ministério das Cidades, criado em 2003, não conseguiu reverter isso.”

“A experiência ‘star’ de Bogotá é o TransMilenio. Trouxe outro padrão de mobilidade urbana. É fantástico. Antes de inaugurar o TransMilenio, houve uma ampla mobilização social e cívica em Bogotá para debater o projeto. Aprovou-se uma lei de uso e ocupação do solo e criou-se um imposto sobre valorização imobiliária. Foi esse imposto que permitiu à administração local tocar experiências tão radicais.”

Richard Sennett
(O Estado de São Paulo, Caderno Aliás, J4, 07/12/2008)

“O grande remédio para se combater a violência urbana é dar emprego para as pessoas. Essa crise vai promover muito desemprego. Nós precisamos nos preparar para isso. Penso que se deva dirigir o foco para as pessoas e para o trabalho. Isso significa prestar mais atenção nas economias locais.”

“O governo (em Londres) tem restringido muito o número de automóveis em circulação. Nós também não construímos estradas. Se existem muitos automóveis, a resposta é não construir estradas.”

“Não podemos ficar olhando para o governo na expectativa de que ele resolva tudo. Precisamos de mais ações, todos os dias. Temos de construir algo que esteja lastreado numa base de ações próprias, evitando as burocracias.”

Nenhum comentário: